News nº 46 | Janeiro 2015
Investigação e Formação Avançada
Análise Estrutural de Redes na Investigação Científica do CAML - Apresentação de Resultados
Análise Estrutural de Redes na Investigação Científica do CAML - Apresentação de Resultados

ANÁLISE ESTRUTURAL DE REDES NA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DO CAML - Apresentação dos resultados da 2.ª fase do estudo
Nuno Rodrigues
Coordenação dos Pólos Administrativos (CPA)
nunorodrigues@medicina.ulisboa.pt  

Sónia Barroso
Gabinete de Apoio à Investigação Científica, Tecnológica e Inovação (GAPIC)
gapicmail@medicina.ulisboa.pt  


 

Na 2.ª fase do estudo “Análise Estrutural de Redes na Investigação Científica do CAML” pretendeu-se dar continuidade à fase piloto, ou seja, analisar as relações desenvolvidas em torno da investigação científica no Centro Académico de Medicina de Lisboa (CAML), o qual congrega três vectores-chave de actuação, o Ensino Superior, a Investigação Cientifica e os Cuidados Hospitalares, consubstanciados, a nível institucional, na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (FMUL), no Instituto de Medicina Molecular (IMM) e no Centro Hospitalar Lisboa Norte - Hospital de Santa Maria (CHLN-HSM), respectivamente. 

O CAML, como qualquer estrutura social, assenta numa multiplicidade de interações ou relações, sendo ele próprio o produto da interligação das instituições envolvidas. As relações intra-CAML podem ser traduzidas em variadas redes, distintas consoante a dimensão que se queira destrinçar, sendo uma das vertentes destas redes as de investigação científica, na qual o IMM tem um papel central, enquanto um dos principais institutos de investigação biomédica do país, estendendo-se nesta fase o estudo a todo o IMM.  

A Análise de Redes Sociais (ARS) para além da habitual caracterização de determinados atributos dos atores/investigadores permite, também, estudar a forma das suas relações sociais ao nível da investigação, e a representação gráfica daquelas relações através de mapas de redes ou grafos. A ARS é hoje considerada uma importante ferramenta para descrição de interacções entre agentes e estruturas sociais, e sua análise, empírica e conceptual, com impacto em áreas tão diversas como a Sociologia, a Economia e Gestão, o Ensino e a Saúde, entre muitas outras. É, cada vez mais, utilizada como instrumento fundamental de apoio à decisão. (sobre ARS consultar o artigo sobre a 1.ª fase do estudo) 

O recurso à ARS permitiu-nos assim identificar redes de investigação em torno das três instituições que compõe o CAML, quer ao nível de parcerias, relações formais assentes em projectos financiados, quer ao nível de colaborações, relações informais que se estabelecem em interacções pontuais e espontâneas. 

Nesta fase, o objecto de estudo abrangeu todos os investigadores de 22 unidades do IMM (com exepção dos laboratórios que participaram na 1.ª fase do projecto) e a metodologia adoptada foi o inquérito por questionário em formato on-line, obtendo-se uma taxa de resposta de 24%. 

Da análise à teia de relações dos investigadores é de evidenciar que dentro do IMM tendem a existir mais relações “informais”(colaborações) do que relações “formais” (parcerias) em torno do desenvolvimento de projectos, elaboração de artigos e organização de eventos. Igualmente ao nível do CAML verifica-se que existem mais relações “informais” (colaborações) do que relações “formais” (parcerias), existindo nomeadamente dentro do próprio IMM, mas também com a FMUL, não assumindo um papel central nas redes de investigação as unidades do CHLN. 

Ao analisar as redes de investigação do CAML com o exterior, constata-se que existem vários investigadores muito dinâmicos e virados para o exterior quer a nível nacional como a nível internacional, tanto no estabelecimento de relações “formais” (parcerias) como em relações “informais” (colaborações), sobretudo no âmbito de desenvolvimento de projectos e elaboração de artigos. A nível nacional destacam-se as relações com Universidades, Laboratórios Associados, Instituições de I&D e Indústria Farmacêutica; a nível Europeu predominam as relações estabelecidas com Universidades e Indústria Farmacêutica; e a nível Internacional, sobressaem as relações tanto com Universidades como com Instituições de I&D. 

Ao analisar as redes de investigação de todo o IMM estamos a caminhar para a desejada caracterização global da teia de relações que se estabelecem em torno da investigação científica do CAML, para eventuais análises longitudinais de redes de investigação, bem como para a utilização da análise de redes como um instrumento privilegiado em processos que envolvam a avaliação de impacte de programas e estratégias ao nível da investigação, e para decisão informada.

Apresentação dos Resultados da 2.ª fase do estudo “Análise Estrutural de Redes na Investigação Científica do CAML”
Pesquisa

Pesquise sobre todas as newsletters já publicadas pela FMUL

  PESQUISAR 

Subscrição

Subscreva a nossa Newsletter e receba todas as informações actualizadas sobre actividades, notícias, eventos e outras acções relevantes da FMUL

  

  ENVIAR 

Propriedade e Edição: Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa
Periodicidade: Mensal
Diretor: Prof. Doutor Fausto J. Pinto
Conselho Editorial: Prof. Doutor Fausto J. Pinto, Prof. Doutor Mamede de Carvalho, Profª. Doutora Ana Sebastião, Prof. Doutor António Vaz Carneiro, Prof. Doutor Miguel Castanho, Dr. Luis Pereira
Gestor de Informação: Ana Raquel Moreira
Equipa Editorial: Ana Cristina Mota, Ana Raquel Moreira, André Silva, Maria de Lurdes Barata, Rui Gomes, Sónia Barroso
Colaboração: Unidade de Relações Públicas e Comunicação - Bruno Moura
Conceção e Suporte Técnico: UTI 
Design e Implementação: Spirituc
e-mail: news@medicina.ulisboa.pt
Morada e Sede da Redação: Avenida Prof. Egas Moniz, 1649-028 Lisboa


Estatuto Editorial


Anotado na ERC