News nº 14 | Maio de 2010
Notícias FMUL
A Imagem na Ciência e na Arte

Equipa Editorial
news@fm.ul.pt 




Vivemos hoje sob o império da imagem. Depois da voz e da escrita, é a imagem que adquire uma inaudita relevância. Ela determina a nossa vida de forma cada vez mais decisiva, tanto a nossa maneira de ver o mundo como a forma de nele inscrevermos a nossa existência individual e colectiva. Qual o bem fundado desta apreciação? Em que consiste o novo estatuto da imagem, se é que existe?

Mas, o que é afinal a imagem? Como tem sido pensada pela tradição filosófica? Que novas aproximações teóricas têm sido propostas? Será a imagem apenas um meio de aceder ao conceito, efémero mediador, simples aparição? Ou, pelo contrário, uma realidade que se oferece enquanto apresentação sensível de uma ordem que só nela e por ela se dá a ver? Como explicar que seja a concepção de imagem como o mero meio que trabalha a expressão “meios audio-visuais” quando, paradoxalmente, sabemos que as novas tecnologias são um dos mais poderosos factores da espessura que a imagem hoje adquiriu.

Gadamer mostrou que, se o iconoclastismo é o receio de que a imagem possa funcionar como fim em si mesma, a arte foi salva no ocidente cristão porque aí a imagem se deixou pensar, não como algo que reenvia ao que representa, mas de forma positiva, pela sua capacidade de afirmar aquilo que o modelo por si só não poderia afirmar. A sacralização da Arte encontraria o seu fundamento numa compreensão da imagem em que esta é, não uma simples “cópia” que vale pela sua capacidade de veicular a realidade que representa, mas como realidade dotada de um ser próprio. Não poderão as recentes produções artísticas ser pensadas como expressão desta valorização extrema da imagem?

E na ciência? Será que a imagem desempenha mais do que uma função representativa e ilustrativa? Se assim é, quais os papeis ou as funções que aí desempenha? Por que são as imagens usadas em ciência? Como são usadas? O que significa dizer que uma imagem científica é verdadeira? E será que a imagem científica obedece a determinações artísticas? Em caso afirmativo, como pode ser artisticamente avaliada, com que critérios?

Sabemos que a História e a Filosofia da Ciência de inspiração positivista negligenciaram o estudo da imagem em ciência atribuindo-lhe um mero papel ilustrativo. Por seu lado, os Historiadores da Arte só se têm interessado pela imagem científica enquanto elemento decorativo e a Iconografia só as tem estudado em termos técnicos, à margem da ciência que são supostas ilustrar. O Projecto A Imagem na Ciência e na Arte está interessado em estudar a imagem em ciência em termos internos, relativos à constituição do discurso científico, aos efeitos de estabilização, reforço ou simbiose que mantém com a palavra, e externos, determinando os factores ideológicos e estéticos que intervêm na sua produção e utilização.

Com base numa equipa interdisciplinar, este projecto tem a imagem como objecto de investigação. A metodologia será comparativa e de estudos de caso, cruzando sempre Arte, Ciência e Filosofia.

Este projecto toma como seus os seguintes objectivos:

Fazer o estudo histórico de quatro obras paradigmáticas quanto ao estatuto híbrido que a imagem nelas desempenha, enquanto dispositivo de saber dotado de valor estético vs objecto artístico cognitivamente orientado (Leonardo, Vesalius, Goethe e Darwin) (tarefa 5)

Investigar as formas pelas quais a imagem é usada na construção do conhecimento científico e na comunicação/divulgação da ciência a partir do estudo sistemático da ilustração científica em Portugal (tarefa 7) e do levantamento exaustivo do seu lugar na revista Nature e em duas revistas portuguesas (científica e de divulgação - tarefa 6)

Em colaboração com a Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa e a Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, identificar, catalogar e estudar a inexplorada colecção de desenhos anatómicos do Museu de Medicina da Universidade de Lisboa (tarefa 8), comparando-a com a colecção de desenhos de nu da Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa (tarefa 9). Esperamos que a confrontação entre o estudo científico da anatomia humana e o desenho artístico do corpo humano tenha resultados heurísticos relevantes.

Em diálogo com a tradição filosófica e alguns dos seus desenvolvimentos no século XX (Bachelard e Deleuze - tarefa 4), questionar a própria natureza da imagem e, se possível, colaborar na elaboração de uma "filosofia da imagem" (tarefa 1).

Interrogar o alcance das recentes explorações (anos 90) da Neuroestética (tarefa 10).

Assumimos três compromissos fundamentais: 

- dar especial atenção a produção portuguesa de imagem em termos de ciência e arte;

- promover a investigação interdisciplinar entre as comunidades artística, científica e filosófica em Portugal;

- divulgar amplamente o nosso trabalho e resultados (tarefa 11) 


(fonte: http://ica.fc.ul.pt/resumo.html)

Link: http://lisboncisa.fc.ul.pt/#

Pesquisa

Pesquise sobre todas as newsletters já publicadas pela FMUL

  PESQUISAR 

Subscrição

Subscreva a nossa Newsletter e receba todas as informações actualizadas sobre actividades, notícias, eventos e outras acções relevantes da FMUL

  

  ENVIAR 

Propriedade e Edição: Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa
Periodicidade: Mensal
Diretor: Prof. Doutor Fausto J. Pinto
Conselho Editorial: Prof. Doutor Fausto J. Pinto, Prof. Doutor Mamede de Carvalho, Profª. Doutora Ana Sebastião, Prof. Doutor António Vaz Carneiro, Prof. Doutor Miguel Castanho, Dr. Luis Pereira
Gestor de Informação: Ana Raquel Moreira
Equipa Editorial: Ana Cristina Mota, Ana Raquel Moreira, André Silva, Maria de Lurdes Barata, Rui Gomes, Sónia Barroso
Colaboração: Unidade de Relações Públicas e Comunicação - Bruno Moura
Conceção e Suporte Técnico: UTI 
Design e Implementação: Spirituc
e-mail: news@medicina.ulisboa.pt
Morada e Sede da Redação: Avenida Prof. Egas Moniz, 1649-028 Lisboa


Estatuto Editorial


Anotado na ERC