News nº 23 | Setembro/Outubro 2011
Investigação e Formação Avançada
Investigadora do IMM vence concurso internacional para estudar problemas imunitários




Investigadora do IMM vence concurso internacional para estudar problemas imunitários no tratamento para a hemofilia



Vanessa Oliveira foi o único investigador Europeu a vencer um Early Career Bayer Hemophilia Award nesta ronda.

Vanessa Oliveira, investigadora da Unidade de Imunologia Celular do IMM, acaba de ganhar um prestigiado e competitivo Early Career Bayer Hemophilia Award, com um projecto de investigação na área da hemofilia. Foi a única investigadora na Europa a vencer um financiamento nesta ronda, que premiou apenas 5 investigadores em todo o mundo, e vai ter cerca de 170 000 € para desenvolver o seu projecto durante 2 anos.

A investigadora pretende desenvolver uma estratégia de reprogramação do sistema imunitário dos doentes com hemofilia, para evitar a rejeição à terapêutica de coagulação existente e mais utilizada em todo o mundo. Caso tenha sucesso, os resultados desta investigação básica, realizada em laboratório, poderão ter um impacto positivo no futuro tratamento de doentes que sofrem de hemofilia e que, em muitos casos, desenvolvem uma resposta imunitária de rejeição ao factor coagulante terapêutico de que necessitam para levar uma vida normal. O projecto vai ser desenvolvido integralmente na Unidade de Imunologia Celular do IMM, liderada pelo investigador Luís Graça.

A hemofilia, apesar de ser uma doença rara, tem um impacto importante em todo o mundo. Caracteriza-se pela incapacidade do sangue dos doentes coagular correctamente, devido à ausência de produção das moléculas (factores) responsáveis por essa coagulação. Por ser uma doença genética ligada ao cromossoma X, manifesta-se habitualmente na infância, afectando sobretudo rapazes. A terapia actual mais eficaz consiste em administrar aos doentes factores de coagulação recombinantes, produzidos em laboratório, como forma de compensar a inexistência de produção pelos doentes. Infelizmente, em cerca de um terço dos doentes a quem são administrados estes factores de coagulação terapêuticos, desenvolve-se uma resposta imunitária contra o próprio medicamento, que é identificado como estranho ao próprio organismo. Como resultado, os factores de coagulação são destruídos e o tratamento falha. Apesar de já terem sido desenvolvidos alguns métodos para impedir esta resposta imunitária indesejada, até ao momento nenhum se mostrou satisfatoriamente eficaz.

O que Vanessa Oliveira se propõe agora fazer é investigar as razões para a limitada eficácia destes métodos e, partindo desta informação, desenvolver novas estratégias para induzir a tolerância dos doentes aos factores de coagulação terapêuticos. Os seus resultados preliminares sugerem que é possível desenvolver um tipo de vacina que em vez de estimular a resposta imunitária, vai impedir que o sistema imunitário responda contra as proteínas presentes nesta “vacina”. 


fonte
: www.imm.fm.ul.pt

Pesquisa

Pesquise sobre todas as newsletters já publicadas pela FMUL

  PESQUISAR 

Subscrição

Subscreva a nossa Newsletter e receba todas as informações actualizadas sobre actividades, notícias, eventos e outras acções relevantes da FMUL

  

  ENVIAR 

Propriedade e Edição: Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa
Periodicidade: Mensal
Diretor: Prof. Doutor Fausto J. Pinto
Conselho Editorial: Prof. Doutor Fausto J. Pinto, Prof. Doutor Mamede de Carvalho, Profª. Doutora Ana Sebastião, Prof. Doutor António Vaz Carneiro, Prof. Doutor Miguel Castanho, Dr. Luis Pereira
Gestor de Informação: Ana Raquel Moreira
Equipa Editorial: Ana Cristina Mota, Ana Raquel Moreira, André Silva, Maria de Lurdes Barata, Rui Gomes, Sónia Barroso
Colaboração: Unidade de Relações Públicas e Comunicação - Bruno Moura
Conceção e Suporte Técnico: UTI 
Design e Implementação: Spirituc
e-mail: news@medicina.ulisboa.pt
Morada e Sede da Redação: Avenida Prof. Egas Moniz, 1649-028 Lisboa


Estatuto Editorial


Anotado na ERC