Dr. Filipe Monteiro 
Unidade de Cuidados Intensivos Respiratórios



A Unidade de Cuidados Intensivos Respiratórios (UCIR) do serviço de Pneumologia (dir. Professor Doutor A. Bugalho de Almeida), do H. de Santa Maria completou no passado mês de Abril, 26 anos de existência. 

A unidade é composta por um sector de Alto Risco com 3 salas num total de 8 camas e uma unidade de ventilação não invasiva com 2 salas num total de 6 camas. 

Em termos de recursos humanos, o corpo clínico da unidade é constituído por 6 elementos que para além de exercerem as suas actividades na unidade tem a seu cargo outras funções no serviço. 

Alguns outros médicos do serviço colaboram no serviço de urgência na unidade. 

Chama-se a atenção para o facto de uma grande maioria dos médicos da unidade serem assistentes convidados/livres da Faculdade de Medicina de Lisboa 

Desde sempre, o âmbito de actuação da unidade centrou-se em três pólos: o assistencial, a investigação e o pedagógico.
Na actividade assistencial e a título exemplificativo, em 2011 estiveram internados 309 doentes com necessidade de 2584 dias de ventilação (37% de ventilação não invasiva e 63% de ventilação invasiva). 

No que diz respeito a actividade pedagógica a sua actuação têm-se centrado na participação dos seus elementos nas mais variadas actividades de ensino pré-graduado (como docentes da Faculdade de Medicina) e pós-graduado (como prelectores de cursos, congressos, simpósios etc.). 

Dadas as características da unidade, a investigação tem estado centrada na clínica e tem merecido uma atenção muito particular. O resultado de toda esta actividade tem culminado com a apresentação de várias comunicações nas reuniões científicas internacionais como a ERS (European Respiartory Society Annual Meeting) e nacionais (Sociedade Portuguesa de Pneumologia), e em publicação de artigos de carácter cientifico.
 
No entanto, o primo movens pedagógico, pela qual nos empenhamos desde o início da unidade, foi dedicada à formação dos internos de várias especialidades, através de estágios parcelares de cuidados intensivos, de acordo com o estabelecido pelas normas dos internatos complementares. 

Assim, nas duas últimas décadas (1900 - 2010) cerca de duas centenas de internos do norte a sul do país, dos hospitais universitários aos hospitais distritais e de um grande leque de especialidades (pneumologia, medicina interna, hematologia, anestesiologia e cirurgia vascular, entre outras) cumpriram os seus estágios parcelares nesta unidade, adquirindo competências nos mais variados domínios do intensivismo.