A. Raquel Moreira
Equipa Editorial
news@medicina.ulisboa.pt  




O Instituto de Medicina Molecular (IMM) da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (FMUL) tornou-se no primeiro centro nacional de investigação biomédica a ter um Sistema de Gestão da Qualidade certificado de acordo com a norma internacional ISO 9001, após auditoria da TÜV Rheinland, organismo independente de inspecção e certificação, líder a nível global, que atribuiu ao IMM avaliação positiva nos exigentes requisitos desta norma.

Com auditoria de certificação em 2014 e envolvendo cerca de 70 colaboradores, "este projecto revestiu-se de grande complexidade, quer por ser uma organização que reúne investigadores das mais diversas nacionalidades e culturas, quer por coincidir com um período de grande crescimento do IMM", afirmou o Prof. Bruno Silva Santos, vice-Presidente do IMM. A Gestora do Instituto de Medicina Molecular, Dra. Margarida Pinto Gago, acrescentou que este Instituto "vai continuar a melhorar e a simplificar processos. Quanto mais os procedimentos estiverem instituídos, maior liberdade poderá ser concedida aos nossos investigadores".

"É com muito orgulho que a TÜV Rheinland certifica a excelência dos serviços prestados pelas unidades estruturais do IMM. No entanto, este é apenas o primeiro passo num longo e exigente caminho" disse por seu turno Fernando Lamares, director-geral da TÜV Rheinland. "A implementação da norma ISO 9001 vem melhorar a eficácia interna, eliminar processos e ineficiências, assim como melhorar a satisfação dos diferentes stakeholders, desde investigadores internos e externos, até às universidades, hospitais e empresas associadas" conclui o responsável do organismo de inspecção.

Instituição de referência na investigação biomédica, o IMM detém estatuto de Laboratório Associado ao Ministério da Educação e Ciência. Nos seus laboratórios, equipados com tecnologia de ponta, profissionais de topo dedicam-se à compreensão dos mecanismos da doença, ao desenvolvimento de novas abordagens terapêuticas, de testes preditivos e de diagnóstico.




(fonte: Comunicado IMM)