Raquel Moreira
Equipa Editorial
news@medicina.ulisboa.pt 



Decorreu no passado dia 11 de Novembro uma sessão de apresentação dos resultados do Biobanco-IMM nos últimos anos. Estiveram presentes na mesa a Profª Maria Mota (Directora do Instituto de Medicina Molecular), o Prof. José Fernandes e Fernandes (Director da Faculdade de Medicina), a Profª Carmo Fonseca (Presidente do IMM) e o Prof. João Eurico da Fonseca (Director do Biobanco-IMM). Na plateia estiveram o Prof. Rogério Gaspar (Vice-Reitor da ULisboa), a Drª. Maria de Belém, o Prof. Paulo Pereira (Vice-Presidente da FCT), entre outros convidados. 

O Prof. José Fernandes e Fernandes abriu a sessão reafirmando o Biobanco como um instrumento indispensável que permitirá, no futuro, criar sinergias com instituições internacionais, permitindo a implementação e divulgação dos trabalho desenvolvido no Centro Académico de Medicina de Lisboa. 

Seguiu-se a intervenção do Prof. Paulo Pereira, Vice-Presidente da FCT, que valorizou o Biobanco como uma infraestrutura de investigação que deverá ter um exemplar apoio da Fundação. Enquanto instrumento impulsionador de um avanço do conhecimento, é estrategicamente relevante, sendo também um exemplo claro de trabalhos sólidos e consolidados no desenvolvimento do conhecimento científico. 

Na apresentação do Prof. João Eurico da Fonseca foi relembrada a data de criação do Biobanco – 2008 – e a data da recepção da primeira amostra por dador – Janeiro 2012. O Professor salientou a grande importância da equipa e referiu alguns dados relevantes – cerca de 330 dadores p/mês, 2.500 amostras p/mês, 32 colecções diferentes nas mais variadas áreas (oncologia, neurologia, reumatologia entre outras). Deu as boas-vindas à próxima equipa de co-directores, referindo que, em todos os projectos, é necessário uma nova energia e novas ideias. 

Nesta sessão foi apresentada a nova equipa de Co-Directores do Biobanco – Prof. Sérgio Dias e Dr. Joaquim Pereira. São objectivos desta equipa manter as sinergias que existem no campus, fortalecer a ligação com a informação clínica apostando na qualidade das amostras e da informação e envolvendo os investigadores e os clínicos interessados na investigação. O maior desafio é consegirem fazer parte do BBMRI (Biobanking and Biomolecular Resources Research Infrastructure) enquanto insfraestrutura com impacto científico. 

A Sessão terminou com a apresentação do Livro “De zero a dez” da autora Margarida Fonseca Santos. Trata-se de um romance em polifonia, com diferentes olhares sobre a personagem principal, uma doente com artrite reumatóide, e a sua vivência do dia-a-dia. O livro esteve à venda no final da sessão e parte dos lucros reverte a favor do Biobanco-IMM.