Melhorar o conhecimento sobre o tratamento da Dactilite Doentes com Artrite Psoriática


O Instituto de Medicina Molecular (IMM) da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa lidera um ensaio clínico em Portugal que vai estudar doentes com artrite psoriática com dactilite ativa, uma doença inflamatória das articulações que surge em doentes com psoríase.

O objetivo deste projeto é contribuir para a melhoria do conhecimento sobre as estratégias de tratamento da dactilite activa, uma condição clínica específica marcada por um pior prognóstico nestes doentes.

Iniciado em agosto de 2014, este ensaio clínico denominado GO-DACT é um marco histórico para o IMM. É a primeira vez que investigadores deste instituto lideram um ensaio clínico, tendo como promotor o IMM. Este é o resultado da integração do IMM no Centro Académico de Medicina de Lisboa (CAML) do qual fazem parte também a Hospital de Santa Maria (HSM) e a Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (FMUL). A proximidade entre estas instituições possibilita que o GO-DACT conte com duas componentes fundamentais: a componente clínica do Hospital e a componente de investigação do IMM.

De acordo com Elsa Vieira de Sousa, coordenadora do GO-DACT e investigadora do IMM na área Investigação em Reumatologia, a ligação entre as três instituições “cria um ambiente ímpar para a progressão do conhecimento nas áreas das Ciências Médicas, cruzando as necessidades clínicas para melhoria dos cuidados de saúde ao raciocínio e tecnologia da investigação molecular de índole académica”. Acrescenta que “os ensaios de iniciativa do investigador caracterizam-se por uma investigação orientada para o doente, cujo desenho e implementação são garantidos pelo investigador e promotor. Existem múltiplas actividades que necessitam de ser asseguradas, incluindo a elaboração do protocolo, do consentimento informado e do caderno de recolha de dados, a submissão às entidades reguladoras, bem como a monitorização do ensaio e farmacovigilância para as quais a existência de infra-estruturas académicas de apoio são fundamentais.”

Este é um ensaio multicêntrico que conta com a participação de oito Centros de Reumatologia a nível nacional, nomeadamente: Hospital de Santa Maria (Lisboa), Hospital de Egas Moniz (Lisboa), Instituto Português de Reumatologia (Lisboa), Hospital Garcia de Orta (Almada), Hospital Infante Dom Pedro (Aveiro), Hospital de São João (Porto), Hospitais Universitários de Coimbra (Coimbra) e Hospital Conde de Bertiandos (Ponte de Lima).

Trata-se de um ensaio aleatorizado e controlado por placebo, de fase IIIb, que avaliará a eficácia do tratamento com golimumab (um bloqueador do factor de necrose tumoral) em associação com metotrexato comparativamente ao metotrexato em monoterapia. Este estudo inovador está primariamente focado na avaliação de eficácia no tratamento de dactilite mas também da entesite, duas condições clínicas associadas à artrite psoriática que podem condicionar muito significativamente a qualidade de vida dos doentes.

Além da colaboração entre as instituições que constituem o CAML e de todos os Centros Hospitalares envolvidos e respetivas equipas de investigação este ensaio teve o importante contributo da Sociedade Portuguesa de Reumatologia (SPR) e do Registo Nacional de Doentes Reumáticos (Reuma.pt) no desenvolvimento de ferramentas fundamentais para a sua implementação; bem como o apoio de uma Bolsa de Investigação da Merck-Sharp and Dohme. Conta ainda com o apoio da NOVA CRU, uma Contract Research Organization de âmbito académico e de coordenadores locais de estudo da BlueClinical-Clinical Research Partnership.

Sobre a artrite psoriática
A artrite psoriática é uma doença crónica inflamatória das articulações associada à psoríase. Calcula-se que em Portugal a prevalência seja de cerca de dez mil pessoas atingidas por esta patologia. Estima-se que até cerca de 30% das pessoas com psoríase possam vir a desenvolver manifestações de artrite psoriática. A artrite psoriática afecta homens e mulheres e pode atingir pessoas de qualquer idade, embora o seu início ocorra com maior frequência entre os 35 e os 55 anos. As manifestações clínicas da doença caracterizam-se por inflamação das articulações e tendões, nomeadamente das estruturas de ligação ao osso designadas de enteses e pode também ocorrer inflamação ao nível da coluna.

Em particular a dactilite activa, uma manifestação desta doença associada a pior prognóstico, caracteriza-se pela tumefação difusa de um dedo, resultante da inflamação dos tecidos moles, incluindo a bainha dos tendões e as articulações adjacentes, dando um aspeto típico ao dedo que se pode denominar de “dedo em salsicha”. O conhecimento actual sobre as melhores estratégias para o tratamento da dactilite é limitado. Por este motivo existe uma necessidade reconhecida pela comunidade científica internacional para que sejam desenvolvidos ensaios clínicos que contribuam para a existência de evidência nesta área, que permita melhorar os cuidados de saúde prestados aos doentes, e esta constituiu a motivação para a implementação deste projeto. 


Fonte: IMM